18 de abril de 2012

[Evento] Lançamento do livro Setor 27 - Ameaça Nuclear

Na última quinta-feira (12/04) ocorreu na Saraiva do Shopping Center Norte o lançamento do livro Setor 27 – Ameaça Nuclear de Daniel Pedrosa, e em um ambiente informal cercado de amigos o autor contou um pouco sobre seu livro em um bate-papo com Leandro Schulai, autor de O Vale dos Anjos.

Durante a conversa Daniel comentou um pouco sobre como concilia sua carreira de engenheiro com a de escritor, ele reservava algumas horas após o trabalho para ir a uma biblioteca escrever e assim conseguir manter a rotina necessária para desenvolver seu livro. Ele contou que se baseou em histórias de mistério e aventura tentando transportá-las para o cenário brasileiro optando em usar como pano de fundo alguns grandes acontecimento da nossa história como a ditadura e o acidente nuclear em Goiânia. Nesse momento Daniel mostrou as fotos de como ele realizou a pesquisa de campo para ter uma boa base na narrativa, mostrando fotos de lugares que visitou como a Pinacoteca em São Paulo, o Plenário e o local onde houve o acidente nuclear. Explicou que o seu livro é uma continuação de “Setor 27”, o livro anterior, porém mesmo as histórias possuindo uma ligação os livros podem ser lidos separadamente, mas recomendou a leitura na ordem correta já que o segundo amadurece a história que começou em Setor 27. 
Nesse gancho o autor mostrou a evolução da criação da capa contando sobre a interação entre ele e a editora para chegar ao melhor resultado e exibiu seu booktrailer comentando que foi uma experiência divertida produzi-lo pois o mesmo é encenado pelos amigos e familiares do autor. 

 Quando a platéia pode fazer perguntas o foco foi na criação dos personagens e Daniel respondeu que ele, algumas vezes, se inspira em pessoas reais para criar seus personagens usando alguma característica e até mesmo o nome de alguém conhecido e que no processo ele chega a criar vínculos com os personagens tendo uma relação afetiva com eles.Após o bate-papo o evento foi finalizado com a sessão de autógrafos.


Depois do evento fiquei bem curiosa com a história e agora os livros estão na minha lista dos que vou ler.




  
 

9 de abril de 2012

[Filme] Raul - o início, o fim e o meio


Título Original: Raul - o início, o fim e o meio
Duração: 115 min
Direção: Walter Carvalho
Roteiro: Leonardo Gudel
Distribuidora: Paramount Pictures Brasil
Ano: 2012

Comentários:
Esse foi um filme que assisti, mesmo não gostando muito do gênero (o filme é um documentário) por gostar muito de Raul Seixas e de sua obra. O documentário segue um modelo padrão, cheio cenas de materiais já gravados e depoimentos de quem conviveu de perto com esse grande artista da música nacional. Dirigido por Walter Carvalho (diretor também dos filmes Cazuza – o tempo não para, Budapeste entre outros) o filme mostra as várias fases de Raul em ordem cronológica, desde sua infância com o gosto pelo rock e pelo Elvis, o seu primeiro álbum, Raulzito e os Panteras até o fim de sua carreira. No começo vemos a sua grande vontade de virar músico, que existiu desde sempre, a sua trajetória artística, sua parceria pessoal, espiritual e principalmente artística com o escritor Paulo Coelho, logo após a parceira com Claudio Roberto e por fim a parceria com Marcelo Nova. A influência que “o maluco beleza” exerceu sobre uma geração é explorada através de vários depoimentos inclusive do próprio Paulo Coelho, Pedro Bial, Caetano Veloso entre outros. Claro que o documentário não deixou de fora sua conturbada vida pessoal, seus vários relacionamentos, o uso abusivo de drogas e bebidas e o declínio desse artista. Para quem gosta de Raul é um filme que recomendo.


“Eu do meu modo, aprendendo a ser louco. Um maluco total. Na loucura geral. Controlando a minha maluquez. Misturada com minha lucidez. Eu vou ficar, ah! Ficar com certeza, Maluco Beleza”.

TOCA RAUUUL 

Veja o trailer: 


5 de abril de 2012

Numbers – Rachel Ward


Livro: Numbers – Tempo de fuga
Autor: Rachel Ward
Editora: ID
Ano: 2011

Sinopse:
Sempre que Jem conhece alguém novo, não importa quem, logo que ela olha em seus olhos, um número aparece em sua cabeça. Esse número é uma data: a data em que essa pessoa vai morrer. Sobrecarregada com tal consciência terrível, Jem evita relacionamentos. Até que ela conhece Spider, outro estranho, e ganha uma chance. Mas, enquanto eles estão esperando para embarcar no Eye Ferris Wheel, uma roda gigante, Jem percebe que todas as pessoas da fila possuem o mesmo número. A data de hoje. Terroristas vão atacar Londres. O mundo de Jem está prestes a explodir!

Comentários:
Numbers foi um livro que não me conquistou, por vários motivos, acabei esperando um pouco mais (na verdade algo diferente) da história e dos personagens.
Nesse livro conhecemos Jem, uma menina de quinze anos que, desde pequena, ao olhar para os olhos de outra pessoa conseguia ver seus números, todas as pessoas possuíam um número, porém somente quando sua mãe morreu, ela conseguiu entender que os números que ela via eram na verdade a data das mortes. Ela carregou esse fardo por muito tempo sempre sabendo quando as pessoas à sua volta iam morrer sem contar que era órfã e vivia dentro do sistema pulando de lares adotivos até que foi morar na casa de Karen. Jem vivia isolada, porém em um de seus passeios conheceu Spider, um menino que estudava com ela e os dois acabaram criando uma amizade, mas Jem sempre estava receosa pois tinha conseguido ver os números de Spider (15122009) apenas pouco tempo depois. Nesse momento Jem começava a correr contra o tempo e contra algo que sempre acreditou, os números nunca erram.
Ao ler a sinopse fiquei empolgada, mas o livro não me prendeu,  a história em si é diferente do que eu tinha imaginado, não tão focada na questão do  sobrenatural, apesar de ela ser sempre mencionada, mas devido a narrativa estar em primeira pessoa (o que particularmente não me agrada) o foco principal recai no drama de Jem e não apenas em relação aos números mas também em como sua vida é difícil, pois além de tudo ela é do subúrbio de Londres e uma peça do sistema social. A narrativa dessa maneira acabou tornando, em algumas partes, extremamente cansativo acompanhar o fluxo de pensamento de Jem e com isso os outros personagens não são tão bem explorados. E para aqueles que têm receios em relação a linguagem utilizada nos livros deixo uma pequena nota para este, alguns palavrões são utilizados durante a história.