29 de maio de 2013

[Promoção] São João Literário


Para você que curte uma festa junina, não vai poder ficar de fora do "São João Literário" que os blogs Alegria de Amar e Viver o que é BomAnimus Book, Fábrica dos ConvitesLeitores Compulsivos, Ler é o Melhor LazerLost Girly GirlMemories of the AngelMilkShake de Palavras, Olhos de Ressaca, Saleta de Leitura e Vitrine de Promoções estão organizando.
Você é nosso convidado de honra e para participar basta preencher o formulário abaixo e torcer para que no fim do arraial você seja um dos que levarão para casa estas prendas:
  1. Livro Surpresa* (Alegria de Amar e Viver o que é Bom); 
  2. Entre Quatro Paredes (Animus Book);
  3. O Poder da Energia (Fábrica dos Convites)
  4. A Arte da Imperfeição (Leitores Compulsivos);
  5. Lua de Mel (Ler é o Melhor Lazer); 
  6. Pão e arte (Lost Girly Girl);
  7. Apegados (Memories of the Angel); 
  8. A Arte da Imperfeição (MilkShake de Palavras);
  9.  Jardim de Inverno (Olhos de Ressaca);
  10. A Sabedoria do Condado (Saleta de Leitura);
  11. A Casa das Orquídeas (Vitrine de Promoções)
Eita trem bão não é? Então não perca tempo e caia neste arrasta pé:
a Rafflecopter giveaway
Os prêmios serão divididos entre 2 ganhadores, sendo que o primeiro sorteado ficará com os 7 primeiros livros e o segundo sorteado com os 4 restantes da lista.
Você tem até o dia 30/06 para participar deste arraial, chame os amigos e toda a família, pois a festa é para todos que tem endereço no Brasil!
Cada blog será responsável pelo envio de sua prenda em até 60 dias.
Boa sorte para todos!

26 de maio de 2013

Listas Aleatórias: 10 itens para um kit de sobrevivência

Ontem, dia 25 de maio, foi o Dia da Toalha, também conhecido como Dia do Orgulho Nerd. Como boa padawan que sou, sei bem que ter um item de poder na bolsa pode salvar o seu dia. E aqui segue uma lista de coisas que podem ser essenciais nas nossas jornadas diárias:


1- Uma toalha, segundo o utilíssimo Guia do Mochileiro das Galáxias, "pode ser usada para se proteger do frio, da chuva, ser amarrada na forma de venda nos olhos no caso de precisar evitar olhar para algo, como uma grande altura ou uma Terrível Besta Voraz de Traal (um animal estonteantemente burro, que acha que, se você não pode vê-lo, ele também não pode ver você - estúpido feito uma anta, mas muito, muito voraz); pode também ser usada para evitar contato com o chão durante a noite, caso queira ou precise dormir ao relento e pode ser usada para se secar após um banho se estiver seca e limpa o suficiente." Não sei vocês, mas não saio de casa sem ter uma na bolsa. É sério.


"Sempre saiba onde está a sua toalha"

2- Uma Chave de Fenda Sônica - O Doutor não sai para explorar o tempo e espaço sem estar sempre acompanhado da sua inseparável Chave de Fenda Sônica. Não é uma arma, mas abre portas como ninguém. E é sônica!


Allons-y!

3- Uma Capa de Invisibilidade - Mesmo que não seja a capa do Harry, que é uma das Relíquias da Morte, pode ser de outro tipo. Um item valioso para excursões secretas para lugares perigosos.




4- Um Sabre de Luz - Mas cuidado, é preciso ser um expert para portar uma dessas!




5 - Phasers - Apesar de terem o poder de matar, também podem ser usadas para defesa, em que um simples "tonteio" pode resolver a situação.




6- Cajado - O cajado de um mago é sempre útil, nem que seja para exorcizar a presença de um balrog, ou para usar na iluminação em cavernas e minas.




7- Bolsa da Hermione - Bolsa de mulher cabe tudo, mas como essa eu ainda preciso ter na vida!


It's bigger on the inside!

8- Espada de Aço Valiriano - "O inverno está chegando" e qualquer coisa que possa ajudar contra "Os Outros" é bem-vinda.




9- Ovos de Dragões - Vai que se dá a sorte de nascerem dragões? Melhor não arriscar! Tenha sempre um a mão.





10- A Bainha da Excalibur - Embora a espada seja muito poderosa, a sua bainha também é igualmente importante, podendo proteger quem a use contra hemorragias intensas em caso de ferimentos.




23 de maio de 2013

[Livro] Orgulho e Preconceito – Jane Austen



Livro: Orgulho e Preconceito
Titulo Original: Pride and Prejudice
Autor: Jane Austen
Editora:  Nova Fronteira (Saraiva de bolso)
Ano: 2011 (ano da edição)
Avaliação: 4/5
Sinopse:
Na Inglaterra do final do século XVIII, as possibilidades de ascensão social eram limitadas para uma mulher sem dote. Elizabeth Bennet, de vinte anos, uma das cinco filhas de um espirituoso, mas imprudente senhor, no entanto, é um novo tipo de heroína, que não precisará de estereótipos femininos para conquistar o nobre Fitzwilliam Darcy e defender suas posições com perfeita lucidez de uma filósofa liberal da província. Lizzy é uma espécie de Cinderela esclarecida, iluminista, protofeminista. Neste livro, Jane Austen faz também uma crítica à futilidade das mulheres na voz dessa admirável heroína — recompensada, ao final, com uma felicidade que não lhe parecia possível na classe em que nasceu.


Comentários:
Quando vi que o tema deste mês do desafio literário era de livros citados em filme e que uma das opções era “Orgulho e Preconceito” (que foi citado no filme Mensagem para Você) decide matar duas vontades ao mesmo tempo, cumprir o desafio do mês e ler algum livro de Jane Austen, autora que sempre tive curiosidade em conhecer sua obra.
Assumo que por mais um mês tive uma feliz surpresa com a escolha do livro, imaginei que seria um romance meio monótono, e que por ter sido um livro que mesmo sem ter lido anteriormente já havia estudado e sabia a história achei que nada poderia me surpreender e me enganei totalmente. 
A história é sobre a relação entre as pessoas e como uma boa parte delas é movida a pré-julgamentos, e como diz no próprio título: orgulho e preconceito. Tudo começa quando um rapaz rico e bem apessoado chega ao local onde mora a família Bennet: Mr. Bennet, sua esposa e cinco filhas. Como um costume importante na época era ter um bom casamento, com alguém de posses, a família Bennet se aproxima de Mr. Bingley e consequentemente de suas irmãs e de seu amigo Mr. Darcy. Como a diferença de classe entre eles é grande, muitas intrigas irão se desenvolver no romance, e todas baseadas nos sentimentos já mencionados anteriormente. 
Percebi depois desta leitura que uma coisa é estudar o estilo de escrita de um autor outra coisa é poder ler sua obra como um todo e perceber todas as características estudas e ainda mais,chegando  as percepções pessoais que acontecem em cada leitura e com isso o que mais me surpreendeu neste livro foi a narrativa de Jane Austen que possui uma cadencia em sua história que não se quebra durante o desenvolvimento, os fatos acontecem de forma linear e é possível ver que a autora está te encaminhando para conclusões maiores durante as cenas. 
Um dos pontos que mais me chamaram a atenção foi a suavidade com que Austen rege os romances na trama, na atualidade em que romances eróticos e o sexo permeia boa parte dos livros de romance em Orgulho e Preconceito são os detalhes, os diálogos e os sentimentos que permeiam toda a história e talvez  por isso, a sensação de intimidade é maior entre os personagens. 
E por falar em personagens não tem como deixar de reparar na construção e no trabalho empregado para desenvolvê-los, Mrs Bennet apesar de vários defeitos mostra a linha de pensamento da época, suas duas filhas mais novas  representam a futilidade e frivolidade das mulheres que buscam apenas um bom partido sem se importar com sentimentos ou moral. Jane, a irmã mais velha, é a representação da candura e daqueles que sempre querem acreditar no melhor das pessoas (o que pode irritar em algumas partes do livro) Elizabeth é o ceticismo, contrastando com Jane. Os homens são a outra parte da história Mr Bennet é um contraponto a sua mulher (e tenho que dizer que possui uma grande parte dos diálogos mais engraçados do livro) Mr. Bingley é o típico mocinho encantador e galanteador e Mr Darcy é um personagem complexo que apesar da arrogância ainda mostra lados sensíveis. 
Gostei muito desta leitura e já estou me programando para ler outros livros de Jane Austen. 

“É uma verdade universalmente conhecida que um homem solteiro, possuidor de uma boa fortuna, deve estar necessitado de uma esposa.
Por pouco que os sentimentos ou as opiniões de tal homem sejam conhecidos, ao se fixar numa nova localidade, essa verdade se encontra de tal modo impressa nos espíritos das famílias vizinhas, que o rapaz é desde logo considerado a propriedade legítima de uma de suas filhas.” P. 9 

“...Não podemos exigir que um rapaz despreocupado seja sempre prudente e circunspecto. Muitas vezes é apenas a nossa vaidade que nos engana. As mulheres sobre-estimam facilmente a admiração dos homens.” P. 137


21 de maio de 2013

[Resultado de promoção] Para você mãe




Depois de um mês de promoção chegou a hora do resulado. Obrigada a todos que participaram e o ganhador é:


a Rafflecopter giveaway



Parabéns Laís, aguarde o email de contato para receber os livros.

19 de maio de 2013

[Tag] Sete Pecados da Leitura


Andei procurando uma Tag para responder e achei essa bem interessante, apenas não sei quem a criou, se alguém souber por favor me avise que coloco os créditos ;) 

Sete Pecados da Leitura 




1. Ganância: qual é seu livro mais caro? E o menos caro?
Meu livro mais caro é o Harry Potter - Das Páginas Para A Tela, que custa um valor razoavelmente salgado, mas adoro tudo que envolva esse personagem então vale a pena. 
Tenho alguns livros que comprei em promoção, principalmente na bienal, então vou escolher o livro Axolotle Atropelado, que paguei R$ 2,00 na última bienal de São Paulo.













2. Ira: com qual autor você tem uma relação de amor/ódio?

Essa foi uma questão difícil, acho que não tenho um autor com quem possua uma relação total de amor/ódio em relação a sua obra, ou escrita. Bom, o que vou escolher aqui é o George R. R. Martin mas por uma questão pragmática, ele ainda tem que escrever dois livros da série e acho que atualmente é o autor que possui a maior campanha “por favor que você seja um Highlander” (ok, referência a um filme anos 80 que basicamente quer dizer que torcemos para que ele seja quase imortal para poder terminar sua obra) Martin tem um bom tempo de construção entre um livro e outro e só quero pode ler sua obra toda (resumindo quero que os livros saiam mais rápido). 

3. Gula: que livro você devorou sem vergonha alguma?

 Não tenho nenhum tipo de vergonha de ter devorado livro nenhum, mas vou considerar essa pergunta como algo do tipo “o que você leu que ninguém gosta” e vou dizer que na minha adolescência li muito Paulo Coelho, não que o considere bom, mas li muitos dos seus livros (acho que uns 7) e tem um que realmente gosto que é o Veronika Decide Morrer

4. Preguiça: qual livro você tem negligenciado devido à preguiça?
Aqui tenho uma resposta sem nem pestanejar, há anos ganhei uma edição completa de O Tempo e o Vento do Érico Veríssimo, é uma edição linda de quatro volumes, tipo barsa o que quer dizer que são livros grandes e pesados e por ter o costume de ler em vários lugares é difícil carregar esses livros por ai, porém quero muito ler e estou programando conseguir isso nas próximas férias (quem sabe). 

5. Orgulho: que livro tem mais orgulho de ter lido?
No mesmo estilo da pergunta sobre vergonha, não tenho nenhum livro que tenho um “orgulho” de ter lido, mas vou citar um que marcou minha vida, não que ele seja difícil, um clássico ou detentor do grande mistério do mundo, mas por que mesmo sem ser tudo isso ele mudou uma geração de jovens, tirou o preconceito tão irrigado em crianças e adolescentes que achavam a leitura uma atividade chata, que mostrou que há outros mundos dentro dos livros, não foi meu primeiro livro nem foi com ele que aprendi a ler, mas foi com ele que entrei em um universo que acho que nunca mais sai, tenho orgulho de ter lido Harry Potter, tenho orgulho de ser da geração que esperou uma carta de Hogwarts e que abriu os olhos para a fantasia. 
6. Luxúria: quais atributos você acha mais atraentes em personagens masculinos e femininos?
Seriam os mesmo atributos para ambos os personagens, gosto daqueles que sejam fortes, que tenham um objetivo, que sejam humanos sem serem melodramáticos, que não fiquem inúmeros capítulos querendo saber se o objeto de desejo gosta dele ou não, basicamente falando gosto daqueles personagens fortes e marcantes. 

7. Inveja: que livros você gostaria de receber de presente?
Aqui a lista é imensa, mas vou subverter um pouco a pergunta e ao invés de falar um livro vou falar uma série toda, quero muito ganhar a série de Desventuras em Série, se alguém quiser me dar :) 


Deixo aberta as indicações para todos aqueles que quiserem responder. 

14 de maio de 2013

[Filme] Homem de Ferro 3



Título original: Iron Man 3
Duração: 130 min
Direção: Shane Black
Roteiro: Shane Black
Distribuidora: Walt Disney
Ano: 2013
Avaliação: 4/5
Sinopse:
Quando Tony Stark tem sua vida pessoal destruída, embarca em uma angustiante busca para encontrar os responsáveis. Sem saída, Stark é deixado para sobreviver por conta própria, confiando em seus instintos para proteger aqueles mais próximos a ele. Enquanto busca o caminho de volta, ele descobre a resposta para a pergunta que secretamente o atormentava: o homem faz a armadura ou a armadura faz o homem? (Fonte: Cinemark)


Comentários: 
Fui ao cinema com medo de que mais uma vez o terceiro filme da saga de um herói fosse me decepcionar, mas isso não ocorreu com o Homem de Ferro 3. 
Na verdade se formos considerar a cronologia usada no filme, esse seria o “quarto” da série, pois há várias referências e dá sequência aos acontecimentos de “Os Vingadores”. 

O que mais gosto da série de Tony Stark (Robert Downey Jr.) é o seu humor e como ele é empregado até nas piores situações e sempre que for possível. 
Poder ver Stark em uma crise (algo como surto de estresse pós-traumático) com os eventos de Nova York (aliens, semi-deuses, o buraco de minhoca entre todo o roteiro do que aconteceu nos Vingadores) tentando superar tudo se apoiando em seu relacionamento com Pepper (Gwyneth Paltrow) e a construção e eterno aperfeiçoamento de sua armadura é uma nova faceta do herói.
Gostei bastante dessa história, Stark está em crise e isso foi bem trabalhado com muito humor e acentuado com sua personalidade sarcástica. As cenas de ação ficaram boas, e os efeitos são muito legais. 
O romance entre ele e Pepper mostra seu lado mais humano e sentimental, mas a interação dos dois continua como nos filmes anteriores, regadas a tiradas sarcásticas e discussões engraçadas. 


Uma resalva que tenho de fazer com relação a esse filme é sobre o vilão, esperava muito do Mandarim (Ben Kingsley), e até certo momento do filme ele foi um dos melhores vilões que vi nos filmes do Homem de Ferro, porém em um certo momento há uma jogada do roteiro que não me agradou, entendi o propósito e achei uma jogada legal mas preferia que ocorre-se com outro vilão não fosse conhecido. 

A única coisa que senti falta foi de qualquer menção sobre a S.H.I.E.L.D. muito comum nos filmes anteriores (e até esperada depois de Os Vingadores)
Para aqueles que acompanham Tony Stark e sua história, o terceiro filme é um bom complemento a saga, não o melhor que vi, mas nada que me deixa-se revoltada (como aconteceu com o terceiro filme do Homem-Aranha). Para aqueles que forem ao cinema recomendo que fiquem até o fim dos créditos para dar a última risada totalmente merecida 

12 de maio de 2013

Listas Aleatórias: 10 mamães da ficção!

Excepcionalmente ao domingo, o Listas Aleatórias é dedicado a algumas das mães mais marcantes da ficção e que, de um modo ou de outro, lutaram bravamente pelo bem de seus filhotes:


1- Sra. Bennet (Orgulho e Preconceito)
Apesar do seu exagero em tentar arrumar (a qualquer custo) um marido rico para suas filhas, é preciso se considerar que isso demonstra, do seu jeito absurdo, a preocupação em que essa mulher tem pelo futuro das filhas - o que não é nada absurdo se considerarmos a época em que viveu.



2- Molly Weasley (Harry Potter)
Molly não é só a típica mãezona zelosa e protetora com os próprios filhos, mas com os adotados e amado por ela do mesmo modo. E que vai à luta para proteger todos eles.



3- Sarah Connor (O Exterminador do Futuro)
Uma mulher comum que tem sua vida transformada e que faz de tudo para cuidar do filho, enfrentando de tudo um pouco.



4- Catelyn Stark (As Crônicas de Gelo e Fogo)
Cat sai do conforto de sua casa e percorre caminhos tortuosos para proteger os filhos - até as últimas consequências.



5- Lilian Potter (Harry Potter)
Harry só é o que é pelo sacrifício feito pela mãe, que o protegeu durante anos. Uma marca assim é eterna, e é um gesto tão poderoso que sempre me deixa encantada.



6- Daenerys Targaryen (As Crônicas de Gelo e Fogo)
Não é só a "Mãe dos Dragões", mas também a libertadora de povos cativos, que são adotados por ela com o mesmo amor e zelo que ela dedicaria aos filhos que nunca serão gerados por ela.



7- Amy Pond (Doctor Who)
Amy teve a gravidez mais complexa de todos os tempos (he, trocadilho tosco!) e todas as dificuldades em criar a própria filha - mas nem por isso é menos amorosa em relação a ela.



8- Olivia Dunham (Fringe)
O sofrimento e luta vivenciados por Olivia para salvar a própria filha são comoventes, reforçando a ideia da série de que o amor dos pais é capaz de operar mudanças notáveis no universo.



9- Emma Swan (Once Upon a Time)
Emma desistiu do próprio filho para que ele pudesse ter uma chance melhor na vida, lutando como pode para que ele fique bem - mesmo que isso signifique ter que conviver com Regina, a Rainha Má.



10- Ellen Harvelle (Supernatural)
Helen é uma mãe durona, sempre preocupada com a segurança da filha. E dá um aperto no peito danado ver até que ponto ela chega por isso.



7 de maio de 2013

[Livro] Nascida à Meia-Noite – C.C. Hunter



Livro: Nascida à Meia-Noite
Titulo Original: Born at Midnight
Autor: C.C. Hunter
Editora: Jangada
Ano: 2011
Avaliação: 3,5/5
Sinopse:
Kylie Galen está na pior. Seus pais vão se divorciar, seu namorado acaba de romper com ela e uma noite, depois de ser presa por estar na festa errada, com as pessoas erradas e na hora errada, é enviada pela mãe para Shadow Falls – um acampamento para adolescentes problemáticos, localizado numa cidade chamada Fallen, no meio de uma misteriosa floresta. Isso muda sua vida para sempre. Poucas horas depois de chegar, ela descobre, assustada, que seus colegas não são apenas “problemáticos”. Kylie nunca se sentiu normal, mas também não se considera como uma daquelas aberrações paranormais. Ou será que ela é? Em Shadow Falls, vampiros, lobisomens, metamorfos, bruxas e fadas aprendem juntos a desenvolver seus poderes, controlar sua magia e viver no mundo normal. No entanto, as coisas tomam um rumo diferente quando dois carinhas interessantes entram em cena. Derek, um fae que possui poderes mágicos, quer a todo custo ser seu namorado e Lucas, um lobisomem com quem ela partilha um passado secreto. De início, tudo o que Kylie deseja é sair de Shadow Falls e voltar para casa. Porém, com Derek e Lucas ocupando um lugar cativo em seu coração e depois de descobrir que ela própria tem estranhos poderes, talvez sua vida nunca mais volte a ser a mesma...


Comentários:  
Nascida à Meia-Noite foi um YA sobrenatural que me agradou, por mais que eu não acreditasse que fosse gostar. 
Não que C. C. Hunter tenha realmente inovado neste estilo, mas sinto que a falta de grandes pretensões foi o que tornou o livro agradável, foi o fato de usar a fórmula já aplicada anteriormente, mas sem copiar clichês e sim usando como base para moldar sua nova história. 
Em Nascida à Meia-Noite, Hunter apresenta um mundo em que o sobrenatural convive junto ao mundo humano, e este sobrenatural é formado por bruxas, fadas, metamórfos, vampiros, lobisomens e outros seres que ainda não foram totalmente explorados. 
Neste livro Kylie, uma garota que está passando por vários problemas como a morte de sua vó, o término do namoro e o recente divórcio dos pais acaba indo parar (por uma infelicidade do destino) em um acampamento para jovens problemáticos, o acampamento Shadow Falls, e lá ela descobre que existem seres sobrenaturais e que talvez (para seu desespero) ela também faça parte desse universo fantástico. 
A narrativa de Hunter é simples, usando de diversos diálogos, porém totalmente focada em Kylie o que também gera várias passagens de fluxo de pensamento da personagem principal. A personagem evolui conforme a narrativa, mas como esperado (e lógico) ela ainda age como uma adolescente de 16 anos e pensa como tal, porém isso não torna a história irritante (eu confesso que algumas vezes essas atitudes me irritam, mas isso não aconteceu nesse livro). 
Os personagens foram bem trabalhados mas não bem explorados, porém creio que isso ocorra por ainda ter mais livros na saga. Os personagens possuem suas personalidades bem definidas e um espaço conquistado na história, como as amigas Della e Miranda e os rapazes Derek e Lucas, mas ainda é difícil saber mais sobre suas histórias e espero que isso seja abordado na continuação. A autora utiliza da fórmula do trio amoroso, mas de uma forma que não ficou pedante, sim a dúvida de “com quem ficar” permeia a narrativa mas não é o foco principal e na verdade complementa a história. 
Um livro leve e descontraído que pega o leitor sem que ele perceba,  para aqueles que querem um momento de distração sem pretensão. 

Série Acampamento Shadow Falls:

1. Nascida à meia-noite
2. Desperta ao amanhecer
3. Levada ao entardecer
4. Sussurros ao luar
5. Chosen at nightfall

5 de maio de 2013

[Evento] Autores e Ideias – Literatura de blogs


Indo a mais um encontro do projeto Autores e Ideias pude acompanhar o debate de um tema que muito me agrada, a literatura vinda dos blogs.

O evento foi realizado neste ultimo sábado (4/5) e foi uma conversa entre os autores Luiz Bras e Ivana Arruda Leite, sendo mediado por Mona Dorf (autores que utilizam o blog como meio de propagar suas obras)

Logo no início foi comentado que a internet é uma nova área de atuação dos escritores, um novo meio de gerar literatura, mostrando que alguns autores possuem uma vida literária na internet, aqueles que mantêm suas produções online, em blogs, sites ou redes sociais. 
Outra vantagem da literatura vinda dos blogs é o contato mais rápido e mais direto com o leitor, a resposta sobre a opinião de uma obra é mais rápida e facilmente propagada. 

Outro ponto que foi discutido foi sobre a mudança no meio editorial com esse novo meio de produção, pois a internet pode eliminar alguns intermediários, diminuindo o caminho de um autor até ter seu trabalho visto por um editor, sendo essa a nova tendência das editoras, começar a procurar bons autores na internet mas tendo em vista que a internet não é “o” lugar para se buscar novos talentos porém mais um local para realizar essa busca. 

Durante o evento muitos blogs de autores que possuem uma atividade literária constante online foram mostrados, inclusive os blogs dos palestrantes. 

Este é um tema que muito me agrada, a literatura se modernizando e ficando mais democrática com o uso da internet, porém, assim como os livros (ou até pior devido a facilidade maior de divulgar uma obra) é preciso ter cuidado e paciência para poder ler um bom texto na internet. 

Saiba mais sobre o projeto Autores e Ideias aqui

Conheça o blog da Ivana

Conheça o blog do Luiz

1 de maio de 2013

[Filme] Um divã para dois



Título original: Hope Springs
Duração: 100 min.
Direção: David Frankel
Roteiro: Vanessa Taylor
Distribuidora: Imagem Filmes
Ano: 2012
Avaliação: 4/5
Sinopse: 
Kay (Meryl Streep) e Arnold Soames (Tommy Lee Jones) estão casados há 30 anos. O relacionamento entre eles caiu na rotina e há tempos não tem algum tipo de romantismo. Querendo mudar a situação, Kay agenda para ambos um fim de semana de aconselhamento com o dr. Feld (Steve Carell), que passa a lhes dar conselhos sobre como reavivar a chama da paixão.


Comentários: 
Um divã para dois foi um filme doce e engraçado que me fez passar bem meu tempo e ver uma adorável interpretação de Meryl Streep. 
Este filme vai mostrar como um relacionamento pode esfriar depois de alguns anos e como algumas situações desagradáveis depois de repetidas vezes podem se tornar rotina. 

De uma maneira muito engraçada vemos uma mulher que está tentando a todo o custo salvar seu casamento e arrisca suas últimas chances em uma terapia de casais intensiva e com isso muitas situações virão à tona. Vemos os dois lidarem com seus problemas, falarem de sentimentos há muito não explorados e o foco principal na trama, recuperarem a intimidade. 

O filme vai mesclar cenas muito engraçadas com algumas partes de drama para mostrar algo que é totalmente real e pode acontecer com muitos casais. 
A interpretação de Meryl Streep e Tommy Lee Jones está muito boa, podemos sentir a distância do casal, os momentos cômicos e de vergonha ao ver eles tentarem retomar a intimidade e tocar em assuntos que a maioria dos casais prefere não conversar, já Steve Carell interpreta o estereótipo de psicólogo não tendo grande destaque. 
Uma história muito gostosa de se ver e ainda é possível conhecer uma das muitas facetas de Meryl Streep, recomendo muito.