28 de agosto de 2014

[Eventos] Relatos de uma bienal – Parte II



Depois de um primeiro dia perfeito e um fim de semana tumultuado venho falar sobre mais dois dias que passei na bienal, segunda e terça-feira. 
Tenho que dizer que após o primeiro fim de semana a bienal muda de público, ficando lotada de crianças e adolescentes em visitações de escolas. Isso pode dificultar um pouco a visita a stands mais conhecidos, como a Intrínseca e a Record, mas caso você queira garimpar por editoras não tão conhecidas é até que tranquilo, e foi o que fiz. 

Na segunda-feira passei um bom tempo na bienal e pude ver os stands de editoras que não tinha conseguido visitar ainda, como a Rocco, a Globo Livros, a Autêntica, a Disal, a Panini (apesar deste ser um dos locais mais cheios da bienal) entre outros e descobri algumas promoções legais. Prestigiei os autores queridos e consegui tirar mais fotos de alguns stands como de alguns personagens inusitados que apareceram durante o evento, como as Tartarugas Ninjas, que desfilaram pelos corredores com uma legião de crianças atrás. 

Além de uma peregrinação pelo pavilhão também assisti a uma palestra com Luiz Antonio Aguiar sobre os temas atuais e futuros da literatura infantil e juvenil, e apesar de a palestra tomar um rumo diferente abordando o comportamento do jovem e como usar a tecnologia e a modernidade para integrar a leitura aos hábitos desse público, foram feitas observações interessantes, como a busca do jovem pelo passado, a inclinação de histórias dramáticas e alguns assuntos que estão tomando corpo como o meio-ambiente. 

Na terça-feira não passei tanto tempo na bienal, e acabei com uma das grandes frustrações do evento, ter perdido os autógrafos do Pedro Bandeira (autor de minha adolescência) e o evento em que ele participaria, mas fiquei feliz em saber que ele lançou o último número de sua série Os Karas. Garimpando bem achei dois stands interessantes, um deles é um saldão com alguns livros da editora Leya e o outro são alguns livros da editora Martins Fontes com 50% de desconto. E uma dica que eu esqueci de comentar é que é sempre válido revisitar os stands pois os saldões podem ser trocados, novos títulos entram em promoção ou são repostos. 

Não pude ir a bienal nos dois dias seguintes, quarta e quinta-feira, mas irei amanhã e no fim de semana. O meu saldo de compras está bom, mas ainda faltam alguns títulos da minha lista e tentarei fotografar tudo no final.

Outros posts: 




24 de agosto de 2014

[Eventos] Relatos de uma bienal – Parte I



A Bienal de São Paulo é um dos eventos que mais me animo, me programo e aproveito cada instante, e na deste ano não poderia ser diferente. 
Eu tinha programado fazer um post por dia de bienal, mas por estar em um momento em que posso ter que sair do evento para trabalhar a qualquer momento decidi fazer em alguns blocos e contar o que vi e o que acho sobre está grande reunião literária. 
A Bienal começou no dia 22 e irá se estender até o dia 31, no Anhembi. 
No dia 22, última sexta-feira, fui rumo a bienal toda empolgada e com medo de não conseguir retirar minha credencial de profissional do setor, um receio que durou enormes segundos, tempo que demorou para conferir os documentos e me pegar a credencial. 

Já dentro do pavilhão posso dizer que o deslumbramento foi o mesmo, por mais que desde pequena acompanhe a bienal não consigo deixar de parecer uma criança na fábrica Wonka toda vez que entro na bienal, os stands, as editoras, a oportunidade de rever e conhecer pessoas novas, tudo no ambiente literário, é algo que me encanta cada vez mais. 
Posso dizer que a sexta é um dia de “reconhecimento de território”, o pavilhão está vazio então é possível andar, ver os stands, aproveitar as promoções tranquilamente, não tem fila, a praça de alimentação está vazia, resumindo, quase um paraíso rs. Neste primeiro dia pude me localizar bem, passear pelos stands, conversar com amigos e começar as compras, mesmo tendo que sair por um tempo (o trabalho chama) voltei no fim da tarde e consegui aproveitar bastante. 

Agora o segundo dia de bienal foi um contra ponto ao meu sonho de perfeição;  por ser o primeiro fim de semana, contar com muitos autores internacionais (Cassandra Clare, Kiera Cass, Harlan Coben entre outros) além de autores nacionais e várias atrações, somando a disponibilidade das pessoas no fim de semana tornaram a bienal um caos. 
Cheguei no Anhembi umas 9h30 para poder pegar a senha dos autógrafos do Harlan Coben e já tinha uma multidão na fila para entrar no pavilhão, na parte dos credenciados estava uma confusão só, depois do sufoco para conseguir entrar e ir para a fila na editora Arqueiro só consegui ficar admirada e assustada com a correria e a confusão que foram as pessoas tentando senhas para a Cassandra Clare; as senhas esgotaram em minutos o que gerou muita reclamação e pessoas alteradas. Mas o que realmente me incomodou neste sábado de bienal foi a falta de organização de uma maneira geral, o local estava incrível e absurdamente lotado, vi coisas que nunca tinha presenciado, stands com fila para entrar, filas maiores ainda para pagar, stands bloqueados e até mesmo fechados, era tanta gente que andar nos corredores era quase missão de sobrevivência (quem disse que brasileiro não gosta de ler não viu esse dia da bienal), era impossível ver os stands, complicado encontrar as pessoas, usar o celular, comer, enfim qualquer coisa. No fim acabei apenas pegando o autógrafo do Coben e mais nada, e ainda sai acabada. 

Por esses motivos decidi não ir neste domingo de bienal (apesar que alguns amigos me falaram que estava mais tranquilo que sábado, se alguém souber alguma coisa pode falar). 
Mas durante a semana continuarei indo até a bienal, e fazendo mais relatos para contar sobre esse evento que me fascina toda vez. 

Tenho que apenas fazer algumas observações: 
  • Vou reforçar as dicas que vi em vários lugares, vá vestido de forma confortável, sapatos apropriados para andar muito, uma mochila ou até mesmo uma mala (daquelas de rodinha) se pretende comprar muito, leve uma garrafa de água e se possível coisas para comer, pois os preços de alimento são hiperinflacionados. 
  • Há stands com preços bem legais de saldão, a Intrínseca está com promoções bem legais, a Companhia tem alguns livros com uns valores interessantes, assim com a Gutenberg e a Arqueiro (além dos stands de sebo, como a Livraria São Marcos e o Top Livros), mas recomendo que não comprem por impulso pois muitas editoras estão com seus preços bem parecidos com o que poderia ser conseguido fora da bienal. 
  • Leve o mapa ou tente pegar algum por lá no balcão de informação, pois a maior parte das pessoas não vai saber te informar caso fique perdido
  • O mesmo vale para a programação, prepare um cronograma pois é quase impossível descobrir o que irá acontecer quando chegar lá. 

E que venham mais dias de bienal (ah, e prometo tirar fotos melhores e mais completas) 

19 de agosto de 2014

[Série] Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D. – Primeira Temporada



Título Original: Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D.
Temporada: Primeira
Ano: 2013/2014
Criador: Joss Whedon, Jed Whedon e Maurissa Tancharoen
Emissora: ABC
Episódios: 22
Avaliação: 3,5/5


Comentários: 
Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D.  foi uma série bem complicada pra mim, comecei empolgada, passei um tempo arrastando, depois me distancie, voltei quando me falaram que iria melhorar e terminei com esperança de que ela pode tomar um rumo melhor, mas com medo de que a próxima temporada siga o ritmo dessa. 

A premissa dessa série é boa, ela mostra o trabalho da S.H.I.E.L.D., a agencia secreta que permeia as histórias da Marvel, trazendo como protagonista um personagem iconizado no filme dos Vingadores, o agente Phil Coulson. Após sua “morte”no filme ele reaparece na série carregando o mistério de sua volta a vida e comandando um time que irá investigar vários casos. 

Vou dizer que no começo fiquei bem empolgada, a série seguia algumas características dos filmes, como alguma cena pós–crédito ou fazendo ligação com personagens, como  o comandante Fury.  Ela tinha boas cenas de ação e muitos mistérios e questões, além da morte do Coulson, a origem de Sky, a história de May e Ward, outro recurso é o alívio cômico bem explorado com os cientistas Fitz e Simmons. 

Tudo parecia bem, porém alguns episódios a frente a série começou a perder o ritmo, ficou arrastada, forçada e perdeu o apelo para mim, a ligação com o filme do Thor foi bem fraca, e mesmo depois quando eles trouxeram um dos personagens da saga do asgardiano para a série eu não me motivei, acho que eles perderam a mão, perdi a empolgação  e a ansiedade em continuar com a série, até pensei em desistir. 

Algum tempo depois, vi vários comentários de que a série melhorava e que o final era muito bom, demorei mas decide terminar essa temporada e posso dizer que a série deu uma boa engrenada, o ritmo não voltou a ser o mesmo, mas o roteiro dos episódios melhorou, os acontecimentos do filme do Capitão América mudaram consideravelmente o rumo da série (e não poderia ser diferente) e deu um novo sentido a trama.

Posso dizer que o final valeu pelo tempo em que a série não me agradou, não foi o final que eu esperava mas foi bem coerente com tudo e deixou livre para que a série continue interagindo com os próximos filmes da Marvel (e espero que essa interação seja boa, como a do Capitão América e não com a de Thor) ou dá espaço para que a série siga independente dos longas, vou assistir a próxima temporada, mas ainda tenho receio dos rumos que serão tomados. 


10 de agosto de 2014

[DDI] Carteado


Sofia tinha as cartas na mão; contudo, apesar de não entender muito bem as regras, foi obrigada a jogar. Observava fixamente sua adversária; esta nem lhe dirigia um olhar, não levantava os olhos do montante de cartas que segurava - sabia o que estava fazendo e conhecia o jogo.
Confusa, Sofia analisava sua sequência: faltavam poucas cartas para completá-la, porém ela tinha um grande número de manilhas sobressalentes e não sabia o que fazer com elas. Na verdade, frequentemente se sentia assim, focada em poucos aspectos não conseguia lidar com o restante, sempre os mesmos sonhos, os mesmos caminhos, os mesmos planos, nunca olhava para o lado, não percebia o que estava ao seu redor. É, podia não entender esse carteado em que se encontrava, não saber como foi parar nessa rodada ou desconhecer as regras, mas percebeu que já o jogava há muito tempo. 
A adversária descartava seu excedente e nada de virem os números que Sofia precisava. Começou a desconfiar que sua rival descobrira sua jogada ou que o azar escondera o que lhe era preciso no fim do grande monte de cartas ainda a serem escolhidas. 
O jogo prosseguia e Sofia permanecia focada em sua sequência inicial. Teve chances de começar algo novo, mudar de estratégia, mas não quis; continuava fixa naquelas duas cartas que lhe faltavam. Sua adversária era implacável e silenciosa, pegava algumas cartas, eliminava outras mas não levantava os olhos para vê-la, como se ela não existisse, como se fosse apenas uma figurante nessa disputa; e Sofia percebeu que era verdade, apesar de ser um jogo apenas de duas, ela não era importante, não fazia diferença – e entendeu que também já estava acostumada com essa sensação, era assim que se sentia em grande parte dos seus dias. 
De repente, a outra levantou os olhos pela primeira vez e sorriu, mostrou toda sua sequência completa e, por fim, descartou, como lixo, as duas cartas que faltavam para Sofia finalizar sua jogada, completar seus planos e realizar seus sonhos. Ali, naquele monte de sobras e restos, aquelas primorosas cartas não tinham mais valor, agora elas eram nada. 
Sofia perdeu mais uma vez para aquela rival tão conhecida, aquela que a reduzia e que lhe mostrava a verdade - Sofia perdeu para a Vida.

Daniele Vintecinco



DDI – Delírios, Devaneios e Insensatez - um espaço em que escrevo todos os pensamentos, delírios e devaneios que vêm a minha cabeça, o que é no mínimo uma insensatez. 

8 de agosto de 2014

[Série] Arrow – Segunda Temporada



Título Original: Arrow
Temporada: Segunda
Ano: 2013/2014
Criador: Andrew Kreisberg, Greg Berlanti, Marc Guggenheim
Emissora: The CW Television Network
Episódios: 23
Avaliação: 4,5/5

Comentários: 
Arrow foi uma série que surpreendentemente me viciou, mal terminei a primeira temporada e logo engatei a segunda, mas posso dizer que adorei tanto essa quanto a outra. 
Este momento da história de Oliver se dá logo após a noite do empreendimento, em que ele teve que enfrentar várias coisas, as falhas de sua mãe, um inimigo que estava muito mais determinado em seus planos e o mais importante, a morte de uma pessoa querida. 

É com todos esses acontecimentos que Oliver percebe que terá que mudar, não podendo ser o assassino justiceiro de antes, mas sim um herói (a mudança é percebi até na fala de abertura dos episódios) e com isso a trama segue um rumo diferente, já que agora não basta apenas honrar o nome de seu pai ele precisa honrar a cidade em que mora. 

O que mais me ganhou nessa temporada foi que os personagens ganharam uma densidade muito boa, eles se aprofundaram, ganharam histórias, conflitos e personalidades marcantes. Oliver é o principal, mas Diggle e Felicity ganham um enorme espaço na trama, Lory, Roy, Thea entre outros também são bem trabalhados e o aparecimentos de uma outra pessoa muda a trama toda (e eu gostei desse personagem). 

As lutas não são para vingar seu, mas em uma boa parte das vezes possuem uma lição a ser aprendida ou modificam os personagens. O roteiro foi bem amarrado, a série possui uma ascensão em seus episódios (tanto que não consegui parar de assistir nos quatro últimos até que tivesse terminado). 

A única ressalva que tenho é a mesma que a anterior, porém com um pouco mais de medo, os flashbacks continuam a mostrar o que aconteceu com Oliver na ilha, e isso está bem ligado a trama que ocorre no presente, porém acaba gerando dúvidas e mostrando coisas que ficam um pouco improváveis, e tenho receio de eles perderem a mão nessas idas e vindas no tempo. 

Tenho que dizer que torci muito para uma coisa acontecer com a Felicity, mas a situação ficou mal resolvida no final.
Essa temporada é muito boa,e mostra a evolução da série. Esperando a terceira contando os dias. 
Ps: nesta temporada há a participação do autor que será o flash, que na próxima seasson ganhará uma série própria (que também estou bem ansiosa para ver). 


Resenhas: 

6 de agosto de 2014

[Evento] Circuito Novo Conceito

Como prometido ontem na página do Facebook do blog venho contar um pouco sobre um evento muito legal que aconteceu ontem, o Circuito Novo Conceito. 

Vou dizer que apesar de seguir a tendência das editoras em fazer um evento para leitores/blogueiros/livreiros esse teve vários diferenciais. 


O primeiro ponto foi o local escolhido, o encontro ocorreu em uma sala no hotel Maksoud Plaza, próximo da Avenida Paulista, o que já é uma ambientação bem diferente do tradicional encontro em livrarias. 
Outro ponto que logo fez meus olhos brilharem foi a decoração, tudo estava muito bem montado, com uma temática de cinema dividindo os livros em pré-estreia, lançamento e clássico, com as cadeiras personalizadas, pipoca, apresentação, brindes, sorteios e outros elementos e detalhes que aumentaram a qualidade do evento. 

Agora comentando sobre o conteúdo, foi apresentado os último lançamentos da editora, com seus detalhes e sinopses (estou bem empolgada para ler). Os participantes souberam mais sobre o lançamento da Lucinda Riley – As sete irmãs – uma história ambientada no Brasil e que fará parte de uma série, a nova publicação da Holly Black (A garota mais fria de Coldtown) e mais um dos lançamentos de agosto, o livro Se eu Ficar, de Gayle Forman, durante a apresentação foi exibido o trailer do filme homônimo o que me deixou bem mais empolgada pela leitura.  

Eles também tiveram uma segunda parte (que geralmente é a que eu mais gosto desse tipo de evento): a apresentação dos próximos lançamentos e promessas da editora, neste momento podemos descobrir as apostas e novos livros de autores já trabalhados anteriormente. Aqui tenho que destacar alguns livros como Desafio de Ferro, das autoras Holly Black e Cassandra Clare (quero muito), um próximo lançamento da Kristin Hannah, um novo infantil de James Patterson, o Para onde ela foi (continuação do livro Se eu Ficar), Love, Rose (novo livro de Cecelia Ahern) – uma das mídias de divulgação desse livro foi o trailer de sua adaptação cinematográfica, o que me deixou bem empolgada pelos dois – e próximos livros de Emily Giffin e Bella Andre entre tantos outros. 


Circuito Novo Conceito foi um evento muito bem planejado e elaborado, espero que eles façam mais eventos assim e que eu possa comparecer, mas até lá ainda posso me divertir no stand da editora na Bienal.

4 de agosto de 2014

[Music Monday] Muito Pouco

Depois de uma pequena sumida motivada por uma enorme correria no trabalho volto hoje trazendo uma música que eu gosto muito tanto pela letra e quanto pela cantora. 



Muito Pouco

Pronto
Agora que voltou tudo ao normal
Talvez você consiga ser menos rei
E um pouco mais real
Esqueça
As horas nunca andam para trás
Todo dia é dia de aprender um pouco
Do muito que a vida traz

Mas muito pra mim é tão pouco
E pouco é um pouco demais
Viver tá me deixando louca
Não sei mais do que sou capaz
Gritando pra não ficar rouca
Em guerra lutando por paz
Muito pra mim é tão pouco
E pouco eu não quero mais

Chega!
Não me condene pelo seu penar
Pesos e medidas não servem
Pra ninguém poder nos comparar
Porque
Eu não pertenço ao mesmo lugar
Em que você se afunda tão raso
Não dá nem pra tentar te salvar

Porque muito pra mim é tão pouco
E pouco é um pouco demais
Viver tá me deixando louca
Não sei mais do que sou capaz
Gritando pra não ficar rouca
Em guerra lutando por paz
Muito pra mim é tão pouco
E pouco eu não quero

Veja
A qualidade está inferior
E não é a quantidade que faz
A estrutura de um grande amor
Simplesmente seja
O que você julgar ser o melhor
Mas lembre-se que tudo que começa com muito
Pode acabar muito pior

E muito pra mim é tão pouco
E pouco é um pouco demais
Viver tá me deixando louca
Não sei mais do que sou capaz
Gritando pra não ficar rouca
Em guerra lutando por paz
Muito pra mim é tão pouco
E pouco eu não quero mais
Pouco eu não quero mais
Pouco eu não quero mais


1 de agosto de 2014

[Sorteio] Aniversário Fábrica dos Convites


Fábrica dos Convites está completando 5 anos este mês, e para comemorar chamou alguns blogs amigos para organizar uma super festa onde os convidados especiais são vocês.
Para participarem é muito fácil:
  1. Seguir os blogs participantes;
  2. Ter endereço de entrega no Brasil;
  3. Comentar nas postagens dos blogs.
Gostaram? Então conheçam os prêmios e participem!

Kit 1:
Ti Ti Ti da Dri: livro A Pedra de Asenet
Vitrine de Promoções: livro Após a Tempestade
Fábrica dos Convites: livro Curta-metragem

Kit 2: 
Alegria de Viver: livro A Rosa da Meia Noite + chaveiro
Memories of the Angel: livro Julieta Imortal
Milkshake de Palavras: livretos + marcadores

Kit 3:
Saleta de Leitura: livro Sonhe Mais
Cantinho da Gladys: livro surpresa
O Maravilhoso Mundo da Leitura: livro A Destinada

Kit 4: 
Histórias Sem Fim: livro O Beijo
Vintecinco Devaneios: livro Caçadores de Tesouro

Kit 5:
Editora Andross: livro Jogos Criminais
Editora Arqueiro: livro surpresa (enviado pela editora)


a Rafflecopter giveaway